Logotipo Engenharia Compartilhada
Home Notícias A importância do Planejamento Estratégico

A importância do Planejamento Estratégico

EC - 06 de junho de 2013 757 Visualizações
A importância do Planejamento Estratégico
O texto subsequente no Portal Engenharia Compartilhada trata sobre planejamento estratégico. Tanto no âmbito empresarial quanto de modo estrutural para grandes projetos de infraestrutura.
O planejamento estratégico, no campo empresarial, representa o conjunto de objetivos, bem como as políticas e os planos traçados para alcançar os mesmos, que devem ser estabelecidos para definir a classe e o tipo de negócio em que a empresa vai operar. Esse conceito também envolve uma ampla visão da construção gradual do futuro; bem como a determinação clara dos objetivos a curto, médio e longo prazo; e a adoção de alternativas de ações e a sinalização de recursos necessários para cumprir os objetivos.
É importante ressaltar que o planejamento estratégico indica, entre outros, se a empresa deve prover maiores valores agregados e melhores serviços; ou criar produtos e serviços de mesmo valor a custo menor,  ou ambas as ações; ou ainda fornecer maiores valores agregados e praticar preços médios mais altos com maior eficiência operacional e com custos médios mais baixos.
A situação em que a empresa se encontra é que irá determinar quais e como as estratégias devem ser estabelecidas, partindo sempre do meio em que se encontra e dos diversos fatores que influenciam na tomada de decisão. E, a partir disso, as estratégias são entendidas como fixação de premissas originais.
A estratégia de sobrevivência pode ser uma situação adequada quando pensada como condição mínima para atingir outros objetivos no futuro, como por exemplo, a volta de maiores lucros, maior participação no mercado e a manutenção de seu acervo técnico. Esse período não pode ser encarado como um período muito longo, pois a estagnação pode levar a uma interrupção de suas operações, podendo a empresa ser engolida pelo ambiente.
Já a estratégia de manutenção possui uma postura preferível quando a empresa está enfrentando ou espera enfrentar dificuldades e, a partir dessa situação, toma atitudes defensivas diante das ameaças. E, tanto essa quanto a estratégia anterior podem estar diretamente ligadas à má administração de recursos técnicos e financeiros, dificuldades na colocação do seu produto no mercado, recessão proporcionada por procedimentos governamentais e/ou ingerência da política na estratégia do país.
Em contrapartida, a estratégia de crescimento é detectada em situações em que as empresas se encontram momentaneamente com pontos fracos e o ambiente proporciona situações favoráveis e a empresa pode transformá-los em oportunidades de crescimento, sendo que essa situação pode estar diretamente ligada: à boa administração de seus recursos técnicos, operacionais, financeiros e comerciais ao mercado emergente, aos procedimentos normais por parte do governo, e a menor ingerência da política na estratégia do país.
E, na estratégia de desenvolvimento, há a predominância de pontos fortes da empresa e o ambiente externo proporciona situações de oportunidades. A situação em que ocorre essa estratégia esta relacionada a diversos fatores, como: a situação política e econômica do país estável e com planejamentos estratégicos bem definidos; uma situação econômica sem ingerência externa e que fogem ao nosso controle; ou problemas sociais sendo encarados de frente pela nossa sociedade; com atuação dos bancos voltados para a produção; e menores desigualdades regionais entre os estados da união.
O ideal é fazer uma análise  de variáveis ambientais para a montagem de cenários e a elaboração de diagnósticos  é o ponto do processo estratégico em que determina a posição alcançada em relação a outra que se quer alcançar, em função do cenário, considerando as forças internas da empresa, suas debilidades e suas forças externas em formas de oportunidades e ameaças.
O plano estratégico de negócios deve envolver todos os setores da empresa e a consolidação do planejamento estratégico corporativo é a aprovação final do planejamento estratégico por parte dos componentes do projeto, da diretoria, do conselho.
A implantação e operação do planejamento estratégico tem como objetivo assegurar a rentabilidade dos negócios delineada pela alta direção; bem como capacitar a empresa frente aos desafios tecnológicos e antecipá-la às necessidades dos clientes; preparar e desenvolver os recursos humanos para os novos desafios da organização; definir a política de investimentos, visando ao atendimento de novos cenários; definir plano de ações para a consecução dos objetivos, controlando-os e evitando os riscos. Lembrando também que há sempre riscos envolvidos, como os de ordem política, financeira, econômica ou social.
Depois de estabelecidos os parâmetros do plano que compõe o planejamento estratégico, a empresa deve concentrar os esforços resultados esperados do projeto, ser flexível dentro de uma medida razoável e envolver os níveis hierárquicos superiores, com o objetivo de conseguir o apoio necessário de todos os envolvidos no desdobramento em planos de ação de gestão das áreas da empresa: marketing, comercial, administrativa, financeira, engenharia, produção, suprimento, recursos humanos e patrimônio.
Em paralelo à implantação, faz-se necessário o monitoramento da sua aplicação e o confronto com os indicadores estabelecidos anteriormente no plano estratégico. De forma que todas as partes estejam interligadas e caminhem para o mesmo objetivo.
Acessem o tópico e estudem na íntegra o  assunto “Planejamento Estratégico” http://www.engenhariacompartilhada.com.br/Capitulos.aspx?topico=5 .