Logotipo Engenharia Compartilhada
Home Notícias Envelhecimento da tubulação é a provável causa do rompimento de adutora

Envelhecimento da tubulação é a provável causa do rompimento de adutora

- 01 de agosto de 2013 1133 Visualizações
Envelhecimento da tubulação é a provável causa do rompimento de adutora
 
O alerta feito por morador sobre a má qualidade da água na região de Campo Grande na altura da Estrada do Mendanha, por conta do envelhecimento da tubulação, explica a provável causa do rompimento da adutora, que deixou 15 pessoas feridas e uma criança morta. Para o engenheiro especialista, Marcelo Tenório, este foi, certamente, o motivo da explosão. Tenório lembra que vazamentos devido à fadiga de material são recorrentes na cidade, e alerta para o fato de que o sistema da Cedae é muito antigo e não possui uma manutenção adequada. O professor de engenharia da Uerj, Addacto Ottoni, lista quatro possibilidades para a causa da explosão: o envelhecimento da tubulação, as pressões muito elevadas na rede, que crescem para que a água chegue mais longe, algum movimento brusco de terreno, decorrente de uma obra ou chuva e uma ação pontual, como uma pancada, ou a passagem de um trator, por exemplo. Ele diz que somente após uma perícia, será possível chegar a uma conclusão.
Marcelo Tenório, apesar de não ter ido ao local e, portanto não garantir certeza, acredita que a causa por envelhecimento é muito provável, devido ao histórico de outros vazamentos pelos mesmos motivos e pelo deficiente serviço de manutenção da Cedae:
“A Cedae tem um sistema de mais de 40 anos. São tubos antigos, que acompanharam a mudança de deslocamento da rede, forçado pelo crescimento da cidade. Existe um problema sério de conservação, o sistema é bem precário, antigo e comprometido. A Cedae faz pouco investimento em relação à rede principal dela. São tubos muito deteriorados, que recebem uma pressão altíssima e, por isso, não se sustentam”, alertou o engenheiro.
A opinião em relação à deficiência do serviço de conservação e manutenção é compartilhada por Addacto Ottoni. Ele acha que deveria ser implantado um sistema de monitoramento, em que poderia detectar-se uma queda de pressão, o que indica roubo ou vazamento de água, possibilitando, assim, um trabalho preventivo, que evite tragédias. Dentro das possibilidades para o rompimento de ontem, Ottoni explica como o envelhecimento da tubulação pode resultar em uma explosão:
“Em um sistema muito antigo, ao longo do tempo pode ocorrer um processo de incrustação, que seria o alto depósito de ferrugem, da tubulação. Com isso, a espessura da tubulação começa a diminuir, e, assim, perde sua resistência, podendo resultar em um rompimento. É preciso investir em prevenção, monitoramento, conservação e em um sistema novo, porque este já está ultrapassado”, indicou Ottoni, lembrando que, além da explosão, em um vazamento assim há o risco da contaminação de água, sem falar do desperdício.
Além da questão do envelhecimento propriamente dito, os especialistas alertam para outros fatores, relacionados, que provocam rompimentos em adutoras. Muitas vezes casas são levantadas em cima de uma rede da Cedae, o que significa um grande risco. A fim de evitar estas construções e a locomoção de veículos pesados no local, a companhia deveria sinalizar onde há, de fato, tubulações. Em relação às pressões elevadas, é preciso avaliar o processo do sistema, para que não se passe do limite máximo.