Logotipo Engenharia Compartilhada
Home Notícias Irani Papel e Embalagens abre inscrições para o programa de conexão com startups
MERCADO

Irani Papel e Embalagens abre inscrições para o programa de conexão com startups

- 05 de novembro de 2020 737 Visualizações
Irani Papel e Embalagens abre inscrições para o programa de conexão com startups

Startups que estejam com produtos em fase de desenvolvimento ou em fase de escala já podem se inscrever para o Irani Labs, programa de conexão lançado pela Irani Papel e Embalagens em parceria com a Grow+, empresa aceleradora de startups. O objetivo da ação é que a companhia consiga desenvolver novas soluções, produtos e projetos em parceria com essas pequenas empresas ao mesmo tempo em que incentiva o empreendedorismo brasileiro no setor de papel e celulose.

As inscrições para o programa já estão abertas e seguirão até o dia 20 de novembro pela página www.irani.com.br/iranilabs. No site, os interessados encontrarão as regras de participação e o formulário de inscrição. Destaca-se que os projetos apresentados deverão ter foco em cinco temáticas já definidas como prioritárias pela Irani:

Gestão de resíduos – soluções digitais e tecnológicas que transformem a maneira pela qual a Irani realiza a gestão e o aproveitamento dos seus resíduos;

Coleta e gestão de aparas – soluções voltadas a novas formas de coletar as aparas de papel disponíveis no mercado, minimizando o tempo de retorno da embalagem para a indústria;

Tecnologias florestais – soluções que oportunizem melhorias no processo de controle, gestão e maior produtividade das áreas florestais;

Novos produtos e serviços – soluções digitais e tecnológicas que agreguem diferentes formas de relacionamento com o cliente, outras formas de fazer negócios ou até mesmo novos produtos e serviços, contribuindo para importantes áreas de negócio como o comércio de embalagens no ambiente digital;

Novos modelos de negócios – soluções inovadoras que contribuam para o desenvolvimento de novos modelos de negócio para a Irani, envolvendo o alcance de novos públicos e segmentos de mercado, novos formatos de comercialização e novos formatos de negócio (como marketplaces).

De acordo com a Irani, as temáticas foram construídas tendo por base o comprometimento da empresa com os pilares da sustentabilidade do negócio: o de reforçar e ampliar o negócio atual da empresa, construir as bases para novos negócios emergentes e criar alternativas para negócios futuros. “O programa é uma excelente oportunidade para que as startups participantes ganhem visibilidade no ecossistema de inovação da Irani e possam ter acesso a oportunidades de mercado dentro setor de Papel para Embalagens e Embalagem de Papelão Ondulado”, diz Sérgio Ribas, CEO da Irani.

Após o término das inscrições, entre os dias 23 e 27 de novembro, dez startups serão selecionadas para a próxima etapa do programa, que consiste em uma apresentação online dos projetos no dia 17 de dezembro. Essa será a fase final, em que as três melhores serão escolhidas e poderão se tornar parceiras de negócio da Irani. “As startups que forem selecionadas contarão com todo o suporte de profissionais amplamente qualificados da área de inovação e de mais quatro plataformas de PD&I (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) da Irani”, explica Ribas. “Com isso, elas terão acesso a recursos humanos, físicos (como plantas para realização de testes), além de conhecimento técnico e de negócios. Todo o comitê de inovação da Irani formado pela diretoria colegiada, gerentes de negócios e equipes envolvidas com as plataformas de PD&I fará parte da equipe de mentoria”, complementa.

O executivo conta ainda que a busca por inovação dentro da companhia é constante, por isso o trabalho com as pequenas empresas será produtivo.

Atualmente, a Irani possui quatro pilares de Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação (PD&I): papel e celulose, em que o foco são projetos para papéis mais resistentes, novos tipos de papéis e tecnologias para processamento; papelão ondulado, em que buscam o aumento de vida útil do produto e novas embalagens; área florestal e de resina, em que se pesquisam as inovações em silvicultura, tecnologias de processos florestais e manejo florestal; e, por fim, o pilar ambiental e de energia, no qual as pesquisas estão voltadas para as emissões atmosféricas, energias renováveis, eficiência energética, entre outros temas. “Atualmente, temos 16 temas prioritários trabalhados pelas plataformas e estamos desenvolvendo mais de 30 projetos”, finaliza Ribas.