Logotipo Engenharia Compartilhada
Home Notícias Brasil pretende cobrar US$ 100 bilhões de outros países para combate às mudanças climáticas
ACADEMIA USP

Brasil pretende cobrar US$ 100 bilhões de outros países para combate às mudanças climáticas

- 18 de outubro de 2021 364 Visualizações
Brasil pretende cobrar US$ 100 bilhões de outros países para combate às mudanças climáticas

o próximo dia 31, inicia-se a COP26. A Conferência das Partes, como também é intitulada, acontece anualmente e reúne mais de 190 países em discussão sobre as mudanças climáticas e as formas de combatê-las. De acordo com o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, o governo irá cobrar US$ 100 bilhões de outras nações para que o País cumpra os compromissos relacionados ao combate às mudanças climáticas. O professor da Escola de Comunicações e Artes e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental no Instituto de Energia e Ambiente, Pedro Luiz Côrtes, comenta o assunto aoJornal da USP no Ar 1° Edição.

De acordo com Côrtes, as nações mais pobres sofrem com maior intensidade os efeitos das mudanças climáticas em razão da falta de recursos e infraestrutura. “Essas nações solicitam recursos aos países ricos que historicamente são os maiores responsáveis pelo acúmulo de gases de efeito estufa na atmosfera”, explica o professor, ao revelar que o subsídio pode acontecer como investimento ou a fundo perdido como forma de compensação.

Cortês explica que o Brasil não está entre os maiores emissores de gases de efeito estufa, “mas essa ideia, apresentada de maneira enganosa, esconde alguns pontos importante”. O professor observa que mais de 70% das emissões brasileiras estão relacionadas ao uso da terra, desmatamento e queimadas. “O relatório anual do Observatório do Clima indica aumento de 9,6% das emissões especialmente relacionadas ao desmatamento e queimadas”, analisa.

No cenário internacional, entretanto, os impactos do Brasil são relacionados ao desmatamento da Amazônia. “Isso também está relacionado à redução das chuvas na região central do País ao longo dos últimos dez anos e que tem causado a redução do volume afluente em reservatórios de hidrelétricas importantes”, comenta Côrtes. Ele também lembra que o desmatamento da Amazônia não causa desiquilíbrio hídrico apenas no Brasil, mas também no Paraguai, Uruguai, norte da Argentina, Colômbia, Peru e Bolívia. “É por isso que o governo pretende pleitear os US$ 100 bilhões na COP26 para combater o desmatamento e as queimadas”, destaca.

Na visão de Côrtes, as chances de efetivação de combate ao desmatamento pelo governo é zero. ” O governo federal tem demonstrado uma clara má vontade em combater o desmatamento e as queimadas e houve um efetivo desmonte no Ministério do Meio Ambiente, Ibama e no ICMBio”, analisa o professor, ao destacar também o Fundo Amazônia, que sofreu dissolução por parte do governo e atualmente conta com R$ 24 milhões.