Logotipo Engenharia Compartilhada
Home Notícias COP 26: Acordos acertam fim de uso e financiamento do carvão
Meio Ambiente

COP 26: Acordos acertam fim de uso e financiamento do carvão

Canal Energia - 08 de novembro de 2021 185 Visualizações
COP 26: Acordos acertam fim de uso e financiamento do carvão

No dia da energia, mais um passo foi dado em prol da transição energética e pelo fim do uso do carvão como insumo energético. Pelo menos 23 países incluindo Indonésia, Vietnã, Polônia, Coréia do Sul, Egito, Espanha, Nepal, Cingapura, Chile e Ucrânia fizeram novos compromissos para eliminar a energia vinda do carvão. Em uma nova ‘Declaração de Transição do Carvão Global para Energia Limpa’, os países também se comprometeram a aumentar a energia limpa e garantir uma transição justa para o carvão. Bancos e instituições financeiras como HSBC, Fidelity International e Ethos também assumiram compromissos na COP 26 para encerrar o financiamento do carvão até o fim desse ano.

China, Japão e Coréia do Sul, os maiores financiadores globais de carvão, não aderiram a iniciativa, mas já haviam acertado encerrar o financiamento de carvão no exterior e a indicação é que todo o financiamento público internacional significativo para a energia a carvão foi efetivamente encerrado. Além disso, um grupo de 25 países, incluindo Itália, Canadá, Estados Unidos e Dinamarca, juntamente com instituições financeiras públicas, assinou uma declaração conjunta liderada pelo Reino Unido se comprometendo a encerrar o apoio público internacional para o setor de energia de combustível fóssil até o final de 2022 e, em vez disso, priorizar o apoio à transição para energia limpa.

O presidente da Conferência, Alok Sharma, anunciou a nova Declaração de Transição de Energia Limpa Global, um compromisso de acabar com os investimentos em carvão, aumentar a energia limpa, fazer uma transição justa e eliminar o carvão até 2030 nas principais economias e até 2040 nos outros lugares. De acordo com ele, tudo isso ajuda a impulsionar o mundo para Net-Zero. Segundo ele, é sabido que há mais a ser feito, mas todos os agentes devem continuar construindo o momento por meio de alianças e coalizões. Para Sharma, o carvão está sendo deixado de lado na história.

É a primeira vez que uma presidência da COP prioriza essa questão e define uma data final ousada para o financiamento internacional de combustíveis fósseis. A COP26 enviou um sinal claro para os investidores privados seguirem adiante. Esse movimento pode deslocar cerca de US$ 17,8 bilhões por ano em apoio público de combustíveis fósseis para a transição de energia limpa. Países em desenvolvimento, incluindo Etiópia, Fiji e Ilhas Marshall, ofereceram seu apoio, sinalizando uma unidade crescente. Esta é uma agenda inclusiva que deve reconhecer as necessidades de desenvolvimento e energia de todas as economias.

Outros 28 novos membros também se inscreveram na maior aliança do mundo para a eliminação progressiva do carvão, a The Powering Past Coal Alliance, lançada e co-presidida pelo Reino Unido e Canadá. Os novos membros incluem Chile e Cingapura, juntando-se a mais de 160 países, subnacionais e empresas. Houve ainda o anúncio de 20 novos países, incluindo Vietnã, Marrocos e Polônia, que se comprometeram a não construir novas usinas a carvão. Nos últimos seis anos, houve uma queda de 76% no número de novas usinas dessa fonte planejadas globalmente, desde que o Acordo de Paris foi adotado. Isso equivale ao cancelamento de mais de 1.000 GW de novas usinas a carvão.

As principais economias emergentes hoje tomaram medidas significativas para passar do carvão à energia limpa. Índia, Indonésia, Filipinas e África do Sul anunciaram parcerias com os Fundos de Investimento do Clima para acelerar suas transições para longe da energia do carvão, apoiadas por uma instalação dedicada de US$ 2 bilhões. A Indonésia e as Filipinas anunciaram parcerias pioneiras com o Banco Asiático de Desenvolvimento para apoiar a aposentadoria antecipada de usinas de carvão.

De acordo com Damilola Ogunbiyi, Representante Especial do Secretário-Geral da ONU para Energia Sustentável para Todos, o setor de energia é responsável por 2/3 das emissões de gases de efeito estufa. De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, uma média de US$ 423 bilhões de fundos públicos são gastos todos os anos em subsídios para combustíveis fósseis e, mesmo com compromissos internacionais, os subsídios não estão sendo eliminados, mas estão aumentando.