Logotipo Engenharia Compartilhada
Home Notícias Gerenciamento de obras: a tecnologia como aliada na aquisição dos selos e certificações de qualidade 
TECNOLOGIA

Gerenciamento de obras: a tecnologia como aliada na aquisição dos selos e certificações de qualidade 

Assessoria de Imprensa - 08 de dezembro de 2023 1466 Visualizações
Gerenciamento de obras: a tecnologia como aliada na aquisição dos selos e certificações de qualidade 

O setor de construção civil vem crescendo no Brasil nos últimos anos. De acordo com dados divulgados pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção, desde 2021 o segmento está apresentando crescimento, com uma expansão de 17,7% até o final de 2022. Já as projeções atuais apontam para um crescimento de 1,5% em 2023. Com um mercado cada vez mais acirrado, inovação, sustentabilidade e agilidade nos processos são caminhos para as construtoras se destacarem.

Para garantir que todos os processos de uma obra sejam cumpridos de forma correta e eficiente, respeitando normas instituídas por órgãos competentes, as empresas vêm apostando cada vez mais no controle de qualidade integrado à tecnologia, com o auxílio de softwares específicos para esse segmento. Atualmente, existem plataformas digitais que coletam, registram e disponibilizam informações em tempo real da obra, o que facilita o controle da qualidade da operação.

Softwares aliados à qualidade da obra
A tecnologia é uma grande aliada da construção civil e vem ganhando um espaço mais estratégico na gestão de obras, garantindo entregas com mais qualidade e eficiência. Com a adoção de softwares, o controle das operações se torna mais eficiente, reduzindo desperdícios e gastos e garantindo a qualidade necessária da obra.

“O Módulo de Qualidade do Mobuss, por exemplo, possui a função de inspecionar materiais, serviços e equipamentos utilizados, além de atuar no controle de processos, gerar relatórios detalhados de não conformidades e realizar auditorias”, destaca Sílvio José Etges, gerente de produto do Mobuss Construção.

“No sistema, existem recursos voltados para várias etapas da construção, mas o Qualidade é o nosso módulo mais utilizado, pois apoia na obtenção de certificações e atendimento às normas regulamentadoras. Através do módulo de Qualidade já foram aplicadas mais de 4 milhões de inspeções e auditorias dos nossos clientes, feitas a partir de formulários configuráveis dentro do Mobuss Construção.”

“A tecnologia auxilia para que os processos da obra sejam encaminhados de forma correta, fazendo com que a obtenção de certificações para a obra seja facilitada. Nossa plataforma se encaixa perfeitamente nesta demanda, permitindo a rastreabilidade da documentação produzida, o treinamento dos colaboradores, a aplicação de inspeções, o controle de itens não conformes e ampla análise das informações, seja através de indicadores pré-definidos, exportação dos dados para Excel ou ainda integrações com os principais BIs de mercado”, completa.

Etges destaca que o Mobuss Construção é uma solução que gerencia obras de forma colaborativa e facilita a comunicação dos envolvidos durante o processo da construção, como uma forma de reduzir erros e retrabalhos. “Com base em dados extraídos dos nossos clientes, o Mobuss reduz em média 60% os retrabalhos de serviços, contribuindo diretamente para a aplicação da melhoria contínua e assim reduzindo significativamente as não-conformidades em canteiros”.

Como conseguir as certificações de qualidade
Existem diferentes tipos de certificações necessárias para uma obra ser liberada através de software de gestão de qualidade. “O primeiro passo é definir qual certificação se encaixa melhor no segmento da construtora e também tipo da obra. A escolha deve estar alinhada com os objetivos estratégicos e as necessidades da empresa, garantindo que o selo escolhido traga valor e conformidade aos processos”, reforça Etges.

Alguns dos principais selos que podem ser obtidos estão divididos em duas áreas: a de gestão de qualidade e a de gestão ambiental. Na primeira área, um selo importante é o PBQP-h, o Programa Brasileiro de Qualidade do Habitat Governamental. Outra certificação relevante é a ISO 9001, que apesar de ser mais ampla, tem como foco a gestão de qualidade. Já na parte de gestão ambiental, existe a ISO 14001, certificação ambiental e de qualidade. Outros dois selos importantes e de peso internacional são o LEED (Leadershp in Energy and Environmental Design) e o AQUA-HQE (Alta Qualidade Ambiental - Haute Qualité Environnementale).

Etges destaca que apesar de cada selo ter suas especificações, as empresas precisam manter alguns hábitos e características essenciais para obter qualquer tipo de certificação. “O mapeamento dos processos internos, a implementação de melhorias nos processo e procedimentos, a preparação da documentação necessária, a manutenção e aprimoramento contínuo do sistema de gestão da qualidade para atender às normas e requisitos da certificação de forma constante, precisam fazer parte da rotina da construtora”, conclui.

Empresa adquire certificações com o auxílio de softwares
Ter uma comunicação efetiva entre colaboradores do canteiro de obras com o escritório é um desafio na rotina das construtoras. Nesse processo podem ocorrer gargalos e compartilhamento de informações obsoletas. Esse foi um dos motivos que levou a TAO Engenharia a adotar o Mobuss Construção.

Fernanda Cenedese, analista de processos e qualidade da TAO Engenharia, informou que antes de implantar um software de gestão de obras, usavam todos os registros manuais, o que resultava em perdas e extravios de materiais no meio de tantos documentos de arquivo físico. “Com o software, ficou muito mais fácil a organização de informações, e conseguimos padronizar a nossa comunicação”.

Fernanda relata que o investimento feito no sistema representa menos de 1% do custo total da obra. Com auxílio do Mobuss Construção, a TAO ganhou outro benefício, a mobilidade. A partir do uso de tablets no canteiro, a empresa otimizou o processo de auditorias e conseguiu fazer a certificação da ISO 9001 e do SiAC PBQP-h. “No início tivemos um pouco de resistência com o uso dos tablets, mas foi questão de adaptação e treinamento”, afirma Fernanda.