Logotipo Engenharia Compartilhada
Home Notícias UE quer reduzir dependência dos combustíveis fósseis da Rússia
ENERGIA

UE quer reduzir dependência dos combustíveis fósseis da Rússia

Publicado originalmente no Portal PetroNotícias - 30 de maio de 2022 166 Visualizações
UE quer reduzir dependência dos combustíveis fósseis da Rússia

Comissão Europeia criou uma nova força-tarefa na sua Direção-geral da Energia para apoiar a Plataforma Energética da União Europeia, reduzindo a dependência do bloco em relação aos combustíveis fósseis russos. A Força-Tarefa da Plataforma de Energia começará a trabalhar na próxima semana, na quarta-feira (1º), e abordará imediatamente as novas tarefas descritas no chamado “Plano REPowerEU”. A idade da União Europeia é trabalhar no sentido de agregação de demanda, coordenação de capacidade e negociação de suprimentos de energia, além de fornecer apoio às Forças-Tarefa Regionais dos Estados Membros e países vizinhos.

“No nosso Plano REPowerEU, descrevemos como a Europa pode se livrar dos combustíveis fósseis russos. Agora estamos nos dando as ferramentas para que isso aconteça. É hora de diversificar nosso suprimento de energia e fazer o melhor uso de nossa infraestrutura. A Task Force da Plataforma Energética contribuirá para a segurança e independência energética da Europa. Através do peso político e econômico coletivo dos 27 Estados-Membros da UE e de 440 milhões de cidadãos, trabalharemos para garantir importações de energia seguras e a preços acessíveis”, afirmou a Comissária para a Energia, Kadri Simson (foto).



A Comissão e os Estados-Membros criaram a Plataforma Energética da União Europeia para coordenar medidas para garantir o abastecimento energético do bloco, através da compra conjunta voluntária de gás de gasoduto, GNL e hidrogênio. Enquanto isso, a nova força-tarefa ajudará a cumprir o objetivo REPowerEU de reduzir a nossa dependência dos combustíveis fósseis russos, permitindo que os Estados-Membros e os países vizinhos tenham acesso a fontes alternativas de energia a preços acessíveis nos próximos anos.

A nova força-tafera será composta por três unidades, chefiadas por um diretor e subordinadas ao recém-nomeado diretor-geral Adjunto Matthew Baldwin, e a diretora-geral da Energia Ditte Juul Jørgensen, sob a supervisão política da Comissária para a Energia Kadri Simson. As unidades do Grupo de Trabalho lidarão com a demanda global e as negociações internacionais, as relações com os Estados Membros e as relações internacionais.

Vale lembrar que a Comissão propôs a criação de uma plataforma para compras comuns de gás e hidrogênio a nível da UE em março, quando delineou opções para mitigar os altos preços da energia. A ideia foi endossada pelos Chefes de Estado ou de Governo da UE no Conselho Europeu, em 25 de março.

Em abril, a Comissão estabeleceu a Plataforma Energética da UE com os Estados-Membros numa primeira reunião presidida pelo diretora-geral da Energia, Ditte Juul Jørgensen. Foi acordado que a Plataforma será um mecanismo voluntário de coordenação de apoio à compra de gás e hidrogênio para a União, aproveitando ao máximo o peso político e de mercado coletivo da UE.

Já em maio, a Comissão e a Bulgária criaram um primeiro grupo de trabalho regional, no âmbito da Plataforma Energética da UE, em coordenação com os vizinhos do Sudeste da Europa. Outras Forças-Tarefa Regionais, cobrindo a Europa Central e Oriental, o Noroeste e os Países Bálticos, serão propostas em breve. No plano REPowerEU, a Comissão anunciou que, como próximo passo, considerará o desenvolvimento de um “mecanismo de compra conjunta” que negociará e contratará compras de gás em nome dos Estados-Membros participantes.