Logotipo Engenharia Compartilhada
Home Notícias Transmissão de energia por cabos submarinos pode mudar a geopolítica mundial
ENERGIA

Transmissão de energia por cabos submarinos pode mudar a geopolítica mundial

por Alisson Ficher, CPG - 03 de julho de 2024 81 Visualizações
Transmissão de energia por cabos submarinos pode mudar a geopolítica mundial

[Imagem: Reprodução]


Uma reportagem publicada pelo portal CNN relata que, quando pessoas que vivem na cidade de Nova Iorque, Estados Unidos, acordam e preparam seu café da manhã, a rede elétrica da cidade entra em ação, respondendo à crescente demanda por energia.

No entanto, grande parte dessa energia ainda depende do gás natural, um combustível fóssil que contribui para o aquecimento global. Embora o estado de Nova York esteja se esforçando para tornar sua rede mais verde e combater as mudanças climáticas, a transição não é fácil.

A capacidade de armazenar energia renovável para uso a longo prazo ainda não está plenamente desenvolvida, e a disponibilidade de vento e sol nem sempre é suficiente para atender à demanda imediata.

Uma Solução Inovadora do Outro Lado do Atlântico

Enquanto isso, um grupo de empresários encontrou uma solução potencial a milhares de quilômetros de distância, não na ensolarada Califórnia, mas na cinzenta e chuvosa Grã-Bretanha. Eles planejam construir o maior interconector energético submarino do mundo, ligando a Europa e a América do Norte.

Este projeto ambicioso, liderado por Simon Ludlam da Etchea Energy, Laurent Segalen da Megawatt-X e outros parceiros europeus, propõe conectar o oeste do Reino Unido ao leste do Canadá e potencialmente Nova York ao oeste da França por meio de três pares de cabos de alta tensão, totalizando mais de 3.200 quilômetros ao longo do fundo do Oceano Atlântico.

“Quando o sol está no seu ápice, provavelmente temos mais energia na Europa do que realmente podemos utilizar,” disse Ludlam em entrevista para a CNN. “É um bom momento para enviá-lo para um centro de demanda, como a Costa Leste dos Estados Unidos.” E, ainda conforme Ludlam, à medida que a Europa avança para a noite, o fluxo de energia poderia ser revertido, aproveitando a luz do sol da Costa Leste dos EUA.

Cabos Submarinos: A Nova Fronteira das Guerras Energéticas

Embora a interconexão transatlântica ainda esteja em fase de proposta, redes de cabos de energia verde já estão se espalhando pelos oceanos do mundo. Esses cabos são cruciais para transmitir grandes quantidades de energia renovável para países que enfrentam dificuldades na transição para fontes mais limpas por conta própria. Além disso, esses projetos estão remodelando o mapa geopolítico, deslocando algumas das disputas energéticas globais para as profundezas do mar.

Exemplo de Cooperação Internacional

Já existem cabos de energia ligando vários países europeus, muitos dos quais são vizinhos e aliados. Embora nem todos transportem exclusivamente energia renovável, a construção de novas fontes energéticas está em andamento para garantir um futuro mais verde. O Reino Unido, por exemplo, já está conectado à Bélgica, Noruega, Países Baixos e Dinamarca via cabos submarinos e assinou um acordo com Marrocos para importar energia solar e eólica.

Projetos semelhantes estão surgindo em outras partes do mundo. O projeto Sun Cable, por exemplo, planeja enviar energia solar da Austrália para Singapura, enquanto a Índia e a Arábia Saudita discutem a ligação de suas redes elétricas através do Mar Arábico.

Geopolítica e Segurança Energética

No entanto, as implicações geopolíticas desses projetos são significativas. O projeto transatlântico, denominado North Atlantic Transmission One-Link (Otan-L), visa não apenas abrandar as mudanças climáticas, mas também enfrentar a Rússia e competir com a China pelo domínio na tecnologia de energia limpa. A interconexão forçaria as nações a reconsiderar suas alianças em um mundo geopolítico em rápida mudança, potencialmente evitando disputas diplomáticas e conflitos militares.

“Quando tivemos a invasão da Ucrânia, as interligações responderam logicamente,” lembra Ludlam. “Ajudamos nossos vizinhos e isso criou uma dependência testada e comprovada.” A Europa também recorreu às exportações de gás liquefeito dos EUA para substituir a energia russa, fortalecendo os laços entre os dois aliados históricos.

Desafios e Vulnerabilidades
Apesar das vantagens, os cabos submarinos não são invulneráveis. A Rússia tem realizado operações de inteligência submarina em torno de cabos de energia e parques eólicos no Mar do Norte e Báltico. Embora tais ataques sejam mais psicológicos, eles destacam a vulnerabilidade dessas infraestruturas.

Os cabos do Otan-L, descendo até 11.000 pés no Atlântico, estariam bem protegidos contra submarinos, mas são mais vulneráveis quando se aproximam das águas rasas das plataformas continentais. Qualquer dano, intencional ou acidental, pode ter efeitos perturbadores, como demonstrado por um corte nos cabos de telecomunicações no Mar Vermelho que interrompeu significativamente o fluxo de dados entre a Ásia e a Europa.

A aposta no Futuro

Apesar dos desafios de segurança, as infraestruturas críticas em terra não são necessariamente mais seguras. As centrais elétricas da Ucrânia, por exemplo, foram alvo de ataques durante o conflito com a Rússia. No entanto, os cabos submarinos representam uma oportunidade estratégica para fortalecer as conexões energéticas e promover a cooperação internacional.

A transição para energias renováveis não é apenas uma necessidade climática, mas também uma jogada geopolítica. Países do Golfo estão investindo fortemente em energias renováveis, buscando manter sua relevância no cenário energético global. Em contraste, a Rússia, que tem relutado em investir em fontes renováveis, pode enfrentar um declínio em sua influência global.

Ligar a América do Norte à Europa será politicamente desafiador, mas projetos como o Otan-L prometem atravessar gerações e sobreviver a mudanças de governo. “Um cabo submarino poderia ser explorado por uma presidência transacional para forçar concessões da Europa,” alerta Rizzi, do Conselho Europeu de Relações Exteriores. “E uma vez que você constrói esse vínculo, é muito difícil quebrá-lo.”